CBD.pt

CBD para anorexia

Indholdsfortegnelse

L’anoressia nervosa è un disturbo alimentare diffuso con pazienti che variano per età, sesso, orientamento sessuale, razza, etnia e background socioeconomico. In effetti, la malattia è così diffusa che storici e psicologi hanno trovato prove che le persone hanno mostrato sintomi di anoressia per centinaia o migliaia di anni.

Il tipico comportamento anoressico si sviluppa più frequentemente nell’adolescenza, la malattia viene diagnosticata anche a un numero crescente di bambini e anziani. I pazienti con diagnosi di anoressia nervosa limitano fortemente il numero di calorie e il tipo di cibo che mangiano. Alcune persone con il disturbo possono anche esercitarsi in modo eccessivo e compulsivo, impegnarsi in abbuffate e/o comportamenti bulimici che comportano l’eliminazione del cibo consumato dopo un’abbuffata.

La malattia è spesso caratterizzata da un’estrema perdita di peso o mancanza di un adeguato aumento di peso nei bambini e negli adulti in crescita, difficoltà a mantenere un peso corporeo appropriato per altezza, età, statura e sesso e un’immagine corporea distorta. Tuttavia, è importante capire che non puoi dire se una persona sta lottando con l’anoressia guardandola, poiché una persona non ha bisogno di essere emaciata o sottopeso per lottare. Gli studi hanno scoperto che le persone con corpi più grandi possono anche avere l’anoressia, sebbene sia meno probabile che venga diagnosticata a causa dei pregiudizi culturali contro il grasso e l’obesità.

Nell’anoressia nervosa, il ciclo dell’auto-fame fa sì che al corpo vengano negati i nutrienti essenziali di cui ha bisogno per funzionare normalmente. Per conservare l’energia, il corpo interrompe sistematicamente i processi biologici e, infine, interrompe le funzioni biologiche essenziali che possono avere gravi conseguenze mediche. È quindi incredibilmente importante capire i molti modi in cui i disturbi alimentari influenzano il corpo.

As consequências psicológicas e as complicações médicas da anorexia incluem:

  • Depressão, ansiedade e outros transtornos de humor
  • Transtornos de personalidade
  • Transtornos obsessivo-compulsivos
  • Abuso de álcool e drogas
  • Automutilação, pensamentos suicidas ou tentativas de suicídio
  • Anemia
  • Problemas cardiovasculares, como prolapso da válvula mitral, ritmo cardíaco anormal ou insuficiência cardíaca
  • Perda óssea (osteoporose), aumenta o risco de fratura
  • Perda de músculos
  • Nos homens, diminuição da testosterona
  • Problemas gastrointestinais, como constipação, inchaço ou náusea
  • Anormalidades eletrolíticas, como baixo teor de potássio, sódio e cloreto no sangue
  • Problemas renais

Sintomas de anorexia

Os cientistas não sabem exatamente o que causa a anorexia, mas acreditam que pode ser devido à biologia e psicologia de uma pessoa combinada com eventos da vida. Essa combinação inclui ter genes específicos, a biologia de uma pessoa (incluindo alterações nos níveis de serotonina e outros neurotransmissores), imagem corporal e auto-estima, experiências sociais, histórico de saúde familiar e, às vezes, outras doenças mentais.

Como a anorexia causa mudanças físicas e psicológicas, uma pessoa diagnosticada com anorexia geralmente apresenta uma variedade de sintomas emocionais, comportamentais e físicos.

Os sintomas emocionais e comportamentais incluem:

  • Uma preocupação com peso, comida, calorias, gramas de gordura e dieta
  • Recusar-se a comer certos alimentos, por exemplo, “sem açúcar”, “sem gordura” ou “sem carboidratos”
  • Fazer comentários frequentes sobre sentir-se “gordo” ou acima do peso apesar da perda de peso e/ou baixo peso corporal
  • Tem medo intenso de ganhar peso ou ser “gordo”, mesmo que esteja abaixo do peso
  • Tem percepção perturbada do peso ou forma corporal, influência indevida do peso ou forma na autoavaliação ou negação da gravidade do baixo peso corporal
  • Recusa-se a sentir fome
  • Desenvolve rituais alimentares, como comer alimentos em determinadas ordens, mastigar excessivamente ou reorganizar os alimentos em um prato
  • Prepara refeições para os outros, mas não come
  • Evite constantemente as refeições
  • Evite atividades como festas de aniversário ou jantares que envolvam comida/comer
  • Retrair-se socialmente e tornar-se mais isolado, retraído e reservado
  • Expressa espontaneidade social limitada
  • Mostra preocupação em comer em público
  • Expressa a necessidade de “ganhar” ou “queimar” as calorias consumidas
  • Sentindo-se ineficaz
  • Mostra pensamento inflexível e/ou tem uma forte necessidade de controlar tudo
  • Tem iniciativa e expressão emocional excessivamente restritas

Os sintomas físicos incluem:

  • Perda de peso dramática
  • Achados laboratoriais anormais (anemia, níveis baixos de tireóide e hormônios, potássio baixo, contagem baixa de células sanguíneas, ritmo cardíaco lento)
  • Fraqueza muscular
  • Má cicatrização de feridas e/ou sistema imunológico reduzido
  • Sente frio o tempo todo e se veste em camadas para esconder a perda de peso ou se manter aquecido
  • Mãos e pés frios e úmidos ou inchaço dos pés
  • Queixa-se de constipação, dor abdominal, intolerância ao frio, letargia e/ou excesso de energia
  • Mantém um regime de treinamento excessivo e rígido, apesar do clima, fadiga, doença ou lesão
  • Perda de períodos em mulheres após a puberdade ou irregularidades menstruais, incluindo amenorreia, períodos irregulares ou menstruação apenas durante o uso de contraceptivos hormonais (isso não é considerado um período “verdadeiro”)
  • Dificuldade de concentração
  • Tonturas e/ou desmaios
  • Problemas de sono
  • Cortes e calos na parte superior dos nós dos dedos (resultado da indução de vômito)
  • Problemas dentários, como erosão do esmalte, cáries e sensibilidade dentária (por vômito)
  • Pele seca e unhas e cabelos secos e quebradiços
  • Inchaço ao redor da área das glândulas salivares
  • Cabelo fino no corpo (lanugo) e/ou queda de cabelo na cabeça

Medicamentos e tratamentos para anorexia

O tratamento da anorexia nervosa é, na melhor das hipóteses, um desafio, principalmente porque a maioria das pessoas com o transtorno nega ter um problema ou tem tanto medo de ganhar peso que resiste a todos os esforços para ajudar.

O tratamento visa restaurar o paciente a um peso saudável, tratar problemas emocionais como baixa autoestima, corrigir padrões de pensamento distorcidos e desenvolver mudanças comportamentais de longo prazo. Isso geralmente significa que os pacientes precisam de um programa de tratamento abrangente que inclua uma combinação de métodos de tratamento farmacêutico e psicológico.

Anorexia – Intervenções Farmacêuticas

Em casos graves, o tratamento de emergência para anorexia pode ser necessário, onde desidratação, desnutrição, insuficiência renal ou ritmo cardíaco irregular podem representar um risco iminente à vida. Nesses casos, a medicação será prescrita para tratar cada complicação médica individual.

Medicamentos de longo prazo para ajudar a tratar a anorexia nervosa geralmente incluem antidepressivos, como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs). Estes podem ser usados ​​para ajudar a controlar a ansiedade e a depressão associadas a um transtorno alimentar. Além disso, alguns antidepressivos também podem ajudar no sono e ajudar a estimular o apetite.

Anorexia – Intervenções não farmacêuticas

A maior parte do foco em qualquer plano de tratamento para anorexia nervosa está na psicoterapia e na terapia nutricional.

A psicoterapia, também chamada de “terapia da conversa”, é uma forma de aconselhamento individual que se concentra em mudar o pensamento (terapia cognitiva) e o comportamento (terapia comportamental) de uma pessoa com transtorno alimentar. O tratamento inclui técnicas práticas para ajudar a desenvolver atitudes saudáveis ​​sobre alimentação e peso, bem como abordagens para mudar a forma como a pessoa responde a situações difíceis. Essa terapia também pode se concentrar na importância de falar sobre os sentimentos e o efeito que eles têm na pessoa.

O aconselhamento nutricional é uma estratégia concebida para ensinar uma abordagem saudável à alimentação e ao peso, ajudar a restaurar os padrões alimentares normais e ensinar a importância da nutrição e de uma dieta equilibrada.

Pesquisa e evidência científica para o uso de CBD para anorexia

A evidência clínica do canabidiol (CBD) como uma opção viável de tratamento para a Anorexia Nervosa é limitada, com a maioria dos estudos se concentrando em cannabis medicinal e THC para o tratamento da doença.

No entanto, canabinóides como o CBD têm benefícios potenciais para pacientes com anorexia nervosa, pois podem ajudar a melhorar o humor e reduzir a ansiedade e a depressão, ambas associadas à anorexia, além de terem a capacidade de interagir com vários sistemas biológicos envolvidos na fome.

Efeitos antidepressivos e ansiolíticos do canabidiol: um composto químico da Cannabis sativa

Onde o CBD pode ser particularmente útil para uso na anorexia nervosa é na melhora dos transtornos de humor associados à anorexia, incluindo a redução da ansiedade. Em um estudo de 2014 publicado no CNS and Neurological Disorders – Drug Targets, os pesquisadores revisaram estudos em modelos animais usando o CBD como um composto ansiolítico e antidepressivo.

Eles analisaram dados de estudos envolvendo modelos animais envolvendo uma série de experimentos com transtornos de ansiedade e depressão, incluindo protocolos de pesquisa como o teste de natação forçada (FST), labirinto em cruz elevado (EPM) e o teste de conflito de Vogel (VCT). Os resultados sugerem que o CBD exibiu efeitos ansiolíticos e antidepressivos em modelos animais, e pode-se concluir que o CBD se mostra promissor como uma nova droga para o tratamento de transtornos psiquiátricos.

Canabidiol: Uma nova alternativa potencial para o tratamento de ansiedade, depressão e transtornos psicóticos

Em uma revisão mais recente de 2020 publicada na Biomolecules, ao contrário da revisão acima, os pesquisadores se concentraram nos efeitos ansiolíticos, antidepressivos e antipsicóticos do CBD encontrados em estudos com animais e humanos.

Em roedores, os dados confirmaram artigos de revisão anteriores em que os resultados sugerem que o CBD exibe propriedades ansiolíticas, antidepressivas e antipsicóticas positivas e que os efeitos dependem da dose, tensão, tempo de administração (aguda vs. crônica) e via de administração .

Da mesma forma, ensaios clínicos preliminares também apoiam a eficácia do CBD como agente ansiolítico, antipsicótico e antidepressivo em populações humanas, principalmente por meio de certos alvos-chave, incluindo receptores canabinóides, receptor 5-HT1A e fatores de neurogênese. Mas, mais importante, o CBD tem um perfil de risco-benefício muito mais positivo em comparação com medicamentos farmacêuticos anti-ansiedade e antidepressivos.

Neurônios POMC hipotalâmicos promovem alimentação induzida por canabinóides

No entanto, canabinóides como o CBD também podem ter um benefício mais direto para quem sofre de anorexia nervosa. Em um artigo de 2015 publicado na prestigiosa Nature, os pesquisadores investigaram o papel dos neurônios canabinóides e tiftálamo pró-opiomelanocortina (POMC) na promoção da saciedade.

O receptor canabinóide 1 (CB1) demonstrou ser crítico para a regulação central da ingestão de alimentos e o comportamento alimentar está sob o controle de circuitos hipotalâmicos, especificamente neurônios e genes PMOC. Usando camundongos, os pesquisadores analisaram se a alimentação controlada por CB1 é acompanhada pela diminuição da atividade dos neurônios POMC.

Eles descobriram que a promoção química da atividade do CB1 aumentou a alimentação, enquanto a ativação do CB1 paradoxalmente também promoveu a atividade neuronal das células POMC. Eles também descobriram que o gene Pomc codifica tanto o peptídeo anorexígeno, hormônio estimulador de α-melanócitos (α-MSH), bem como o peptídeo, β-endorfina, e que a ativação de CB1 aumentou seletivamente a β-endorfina, mas não a α-MSH – a liberação no hipotálamo. Da mesma forma, a administração sistêmica ou hipotalâmica do antagonista do receptor opióide, naloxona, bloqueou a alimentação induzida por CB1 aguda.

Os pesquisadores concluíram que todos esses diferentes processos envolviam adaptações mitocondriais que, quando bloqueadas, encerram as respostas celulares e a alimentação induzidas por CB1. E que, em conjunto, as descobertas revelam um papel insuspeito dos neurônios POMC na promoção da alimentação com canabinóides.

Evidência anedótica para o uso de CBD para anorexia

Existem várias histórias de sucesso de pessoas que usam cannabis para ajudar a controlar sua anorexia nervosa. Mas quando se trata de CBD, há menos histórias de sucesso. Independentemente disso, conforme descrito acima, para a maioria das pessoas que sofrem de um transtorno alimentar como a anorexia, o principal benefício relatado é que os ajuda a controlar sua ansiedade, mas também a dor associada a muitas das consequências físicas que acompanham a doença .

CBD como tratamento complementar para anorexia

Embora pesquisas sugiram que o CBD pode ajudar a reduzir fatores psicológicos que podem ajudar a reduzir algumas causas e/ou sintomas subjacentes da anorexia nervosa, o CBD também pode ajudar a aliviar outros sintomas com os quais as pessoas com anorexia devem lidar.

Por exemplo, como mencionado, muitos pacientes têm condições induzidas pela anorexia, como constipação, inchaço ou náusea, perda óssea, alcoolismo e abuso de drogas e dificuldade para dormir. O CBD pode ajudar a aliviar muitos deles, incluindo problemas gastrointestinais. Da mesma forma, o CBD também demonstrou ajudar com comportamentos viciantes e de recaída relacionados ao alcoolismo e abuso de substâncias, ao mesmo tempo em que promove o crescimento e densidade e densidade óssea, além de promover o sono REM, o que reduz muitos distúrbios do sono.

Conclusão

Até o momento, a pesquisa sobre CBD para anorexia nervosa é limitada. No entanto, o CBD tem várias propriedades que podem ajudar diretamente a gerenciar muitos problemas que são fatores subjacentes ou exacerbam a anorexia nervosa. Por exemplo, as propriedades anti-ansiedade e antidepressivas do CBD podem ajudar a tratar distúrbios de humor e reduzir os níveis de estresse, incentivando uma alimentação saudável e ajudando a melhorar a ansiedade e a depressão. Se você está pensando em usar o CBD para anorexia nervosa, sempre converse primeiro com seu médico, pois ele também pode monitorar a dosagem, a gravidade dos sintomas e outros parâmetros clínicos para garantir que seu tratamento com CBD seja seguro e eficaz.

Del:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Den Bedste CBD Olie

Køb 2, Betal For 1

Relaterede Artikler

CBD contra enjôo

A doença de movimento é a ruína das viagens. O CBD para enjoo de movimento demonstrou melhorar os sintomas de enjôo em estudos recentes. Como

CDB contra as náuseas

A cannabis contém uma série de compostos chamados canabinóides. Um destes compostos é chamado canabidiol (CBD). Novas investigações sugerem que a CDB pode proporcionar alívio

CDB contra a acne

Há milhares de anos que as pessoas utilizam tratamentos naturais para promover uma pele bonita e saudável. Uma opção que está a crescer em popularidade